segunda-feira, 11 de abril de 2022

Páscoa Feliz 2022

 
Época de renovação. De libertação do passado rumo a um novo futuro. Sem constrangimentos.
 
Votos de uma Páscoa Feliz e de muitos quilómetros na estrada.

quarta-feira, 30 de março de 2022

António Rosado - Viajante compulsivo

Sonhador, romântico e viajante compulsivo, António Miguel Rosado é um dos grandes aventureiros portugueses em duas rodas. Dono de uma grande humildade, este alentejano de 58 anos, nascido e criado em Moura, já percorreu largos milhares de quilómetros por vários países e continentes, aos comandos de uma BMW R850GS amarela de 1999 equipada a rigor, que o acompanha desde há muito por todo o tipo de estradas e caminhos.
 
De Portugal a Timor, a Austrália, e do Alasca a Ushuaia, são algumas das viagens vividas por este engenheiro zootécnico de formação. Segundo António Rosado, existe uma enorme diferença entre um turista e um viajante. Se o primeiro vai ver as coisas que os outros já viram, o segundo quando está na estrada está a viver, sem grandes planos e de espírito aberto, preparado para todas as alterações que ao longo dos dias venham a suceder, quer seja uma viagem de milhares de quilómetros ou de apenas algumas centenas.
 
 
As aventuras fazem parte da vida de António Rosado praticamente desde que se lembra. “(...) tinha eu uns 8 anos quando a minha tia Luciana me ofereceu uma tenda de campismo; imediatamente fiz questão de a montar no sótão, por lá ficou durante anos, onde diariamente rumava para sonhar..., lembro-me de todas as tardes ao fim das aulas ir fazer aventuras para as ruinas do castelo de Moura, tinha uma fisga, uma lanterna e uma faca de mato; subia paredes e muros com mais de dez metros de altura nessas ruínas, arriscando a partir-me todo, como veio a acontecer, tinha eu 13 anos aterrando de boca num muro, partindo os dois maxilares e muitas peças do corpo bem mal tratadas”, refere.
 
Aos 14 anos teve a primeira máquina de duas rodas, uma motorizada Casal 50cc, que logo tratou de a modificar com uma cremalheira grande, pinhão de ataque pequeno, guarda-lamas, banco e guiador “à cross”. Seguiram-se algumas provas locais de Motocross, utilizando como vestuário de protecção... umas botas caneleiras, umas calças de ganga e um casaco de cabedal! Durante anos andou com esta motorizada, que “(...) acho a ter empurrado mais, do que andado propiamente a "cavalo" nela.” Mais tarde apareceram as motos, uma Yamaha DT125LC, uma Suzuki DR350, uma Honda XR250 e uma Honda XR600, com as quais fez vários raides e provas “pirata”.
 
Influenciado, entre outros, por homens como Emilio Scotto, Thierry Sabine, José Megre ou Pedro Vilas-Boas, estes dois últimos com quem privou no início do Clube Todo-o-Terreno (anos ‘80) fazendo vários passeios por este país com o seu amigo aventureiro Fernando Garcia, bebendo avidamente as estórias que noite adentro os enfeitiçavam, em acampamentos que organizavam nesses eventos e onde ouviu pela primeira vez falar em Merzouga (Marrocos). 
Não então é de estranhar que a sua primeira grande viagem tenha sido precisamente uma ida Marrocos, no ano de 1991.
 
Uns anos mais tarde, em 2017, e apesar da distância, a saudade falou mais alto e António Rosado decide ir dar um beijo à sua namorada que se encontrava em Timor-Leste. Estava criado o mote para, juntando o útil ao agradável, embarcar naquela que seria uma viagem fabulosa mas extremamente desafiante. Partiu de Avis a 3 de Setembro, na 10.ª edição do Traveler’s Event (vídeo), e chegou a Baucau a 18 de Outubro. O regresso a Moura foi a 1 de Novembro, após cerca de 16.000 km percorridos e passagem por 20 países.
 
Das inúmeras peripécias por que passou ficaram certamente as emoções vividas aos comandos da R800GS, umas mais agradáveis que outras, naturalmente, bem como dos países por onde passou e das gentes com quem partilhou experiências e momentos únicos. Refere que para um ocidental, viajar e viver em Timor-Leste tem que se lhe diga. Das comidas aos hábitos, dos objectos aos horários, tudo é diferente, com um ritmo muito próprio e curiosidades engraçadas como o “tem! mas não há!”. 
A reportagem da viagem foi publicada nas revistas Trevl #14 (1.ª Parte) e Trevl #15 (2.ª Parte).
 
Por terras iranianas (Moura–Baucau 2017). Via
  
Junto à Escola Primária Pública N.º 1 de Baucau onde lhe foi recusada a entrada, mas que acabou por conseguir contactar com as crianças e falar-lhes sobre as suas aventuras e os sonhos realizados (Moura–Baucau 2017). Via 
 
Com a “amarelinha” BMW R800GS temporariamente parada em Díli, no ano seguinte António Rosado resolveu ir até ao fim da estrada... na Escócia. A viagem teve início a 8 de Junho de 2018 e a chegada a John O’Groats foi no dia 14. A rota passou por Portugal, Espanha, França e Reino Unido, desta vez aos comandos de uma mais moderna BMW R1200GS.
 
Portugal–Scotland 2018. Via 
 
John O’Groats, Escócia (Portugal–Scotland 2018). Via
 
Nos lagos escoceses (Portugal–Scotland 2018). Via
 
Ainda em 2018 e para não perder a embalagem, voa para Díli em Setembro com o objectivo de substituir a bomba de gasolina da sua fiel R800GS e conseguir “resgatá-la” para a Austrália.
 
O “resgate” da fiel BMW R800GS, Timor-Leste 2018. Via 
 
Depois de um longo e minucioso processo de desmontagem, reparação e limpeza, com mais de 70 horas de trabalho no Entreposto (concessionário Ford em Timor-Leste) para conseguir passar no “teste do algodão” australiano, a R800GS ficou pronta para embarcar num contentor juntamente com outras motos rumo a Darwin, onde chegou em Outubro. Já em terras australianas e após as necessárias inspecções aduaneira e sanitária (vulgo quarentena), começou uma nova aventura de cerca de 10.000 km pelo Outback, o coração da Austrália, passando ainda por Moura (Queensland) claro, com regresso a casa em Janeiro de 2019.
A reportagem saiu na revista Trevl #18.
 
Austrália 2018/2019. Via  
 
Trópico de Capricórnio, Território do Norte (Austrália 2018/2019). Via
 
Apenas sete meses depois e sem perder muito tempo a planear o roteiro (para além de alguns locais por onde gostaria de passar), em Agosto de 2019 António rosado iniciou aquela que seria a sua mais longa viagem de moto, atravessando todo o continente americano desde o Alasca até à Patagónia (Terra do Fogo), numa aventura de quase seis meses e 55.000 km.
 
Empreendeu esta viagem rumando a Paris, onde despachou a moto para Calgary (Canadá). Daqui seguiu para o Alasca, acabando por não chegar a Deadhorse (Prudhoe Bay) como tinha planeado. Mas foi até Anchorage, e dali mais ou menos em zig-zag, a descer até ao “fim do mundo” (Baía Lapataia, EN3), por estradas e lugares como o caminho dos Yungas, também conhecida como estrada da Morte, Salar de Uyuni, Cañon del Pato, Punta Olimpica, Deserto do Atacama, Ruta 40, Carretera Austral, Serra do Rio do Rastro, Pantanal, Missões várias por toda a América do Sul, inúmeros parques, praias, montanhas, desertos cidades lugarejos, gentes, tribos, etc.
Esta grandiosa aventura foi apresentada na 14.ª edição do Traveler’s Event.
 
Fronteira entre o Yukon (Canadá) e o Alaska (Estados Unidos), Historic Alaska Highway (Alaska–Terra do Fogo 2019/2020). Via   
 
Estrada bloqueada por uma derrocada no Peru. A solução foi aguardar até ficar desimpedida (Alaska–Terra do Fogo 2019/2020).